Publicado em 28/05/2022

Sessões de diálogo comunitário sobre o acesso aos serviços de VIH

ENDA Santé, em colaboração com a FHI 360, organizou seminários sobre estigma, violência baseada no género e melhoria do ambiente para a luta contra o VIH/SIDA. As sessões de diálogo tiveram lugar simultaneamente em Dakar, Mbour e Saint-Louis.

Envolveram actores de diferentes sectores (advogados, jornalistas, líderes religiosos, forças de segurança, comunicadores tradicionais e actores na resposta ao VIH).

Estas acções fazem parte do projecto EpiC, financiado pela USAID através do programa PEPFAR e implementado em Dakar, Kaolack, Kolda, Saint-Louis, Thiès, e Ziguinchor. O seu objectivo é reforçar o ambiente jurídico e político para aumentar o acesso à prevenção, tratamento e cuidados e para reduzir o impacto do VIH nas populações vulneráveis.

No Senegal, a epidemia do VIH está concentrada. A prevalência do VIH é baixa na população em geral (0,5%) e alta nos grupos vulneráveis ao VIH. Devido ao estigma e à discriminação, estes grupos vulneráveis não têm acesso aos serviços de prevenção e tratamento. Esta situação não é propícia à realização dos Três Uns.

ENDA Santé, responsável pela implementação de actividades de apoio sobre os temas da violência baseada no género e dos direitos humanos no âmbito do projecto EPIC, estabeleceu diálogos críticos com actores comunitários de diferentes sectores sobre o ambiente propício para o acesso aos serviços VIH nas áreas de implementação.

O objectivo destas sessões de diálogo é contribuir para o estabelecimento de um diálogo colaborativo sustentável por parte dos actores comunitários para um ambiente favorável ao acesso e utilização de testes de VIH, prevenção e serviços de cuidados para grupos vulneráveis e para a realização dos Três Uns.

Planos de acção desenvolvido

Os advogados, as forças de defesa e segurança, os profissionais da comunicação social e os líderes religiosos têm cada um um papel particular a desempenhar na resposta ao VIH. Através de uma reflexão aprofundada, estes actores identificaram barreiras ao acesso aos serviços de cuidados de VIH, especialmente entre os grupos com maior risco de VIH. Propuseram também soluções e desenvolveram planos de acção em conjunto. 

 Os intercâmbios permitiram-me compreender melhor certas disposições da lei vistas pelos envolvidos na resposta como sendo obstáculos à resposta ao VIH. Esta consciência permite-me ter uma visão e uma atitude diferente sobre a questão do VIH 

                         Adjunto da Esquadra de Polícia de Chérif Diallo Guédiawaye

Devido à falta de recursos, actividades de massas, tais como mobilizações sociais, as campanhas de massas têm sido raras durante vários anos. A resposta está agora orientada para os alvos mais expostos. Estas actividades ditas inclusivas permitem mobilizar e envolver todos estes actores em torno dos novos desafios da resposta ao VIH.

O projecto EpiC reforça e amplia o foco da ENDA Santé no VIH e contribui para os esforços nacionais de combate ao VIH.

Partilhar
Outros artigos que lhe possam interessar