Publicado em 02/06/2022

Agenda 2030: alterações climáticas e saúde

A ENDA Santé acaba de lançar uma campanha de advocacia sobre os SDG na Praia. Esta reunião está a ser realizada à margem da reunião regional sobre VIH/SIDA na África Ocidental e Central. Esta é uma oportunidade para as organizações da sociedade civil da região reflectirem sobre as formas e meios de reforçar o papel das comunidades no tratamento de emergências sanitárias. O impacto das alterações climáticas na saúde das populações, que já não está em questão, foi também realçado.

Novas doenças estão a começar a surgir no mundo. São na sua maioria zoonoses, transmissíveis entre animais e humanos. Muitos países não parecem estar preparados para lidar com estas doenças. A chegada do vírus Ébola e Covid-19 expôs as falhas dos nossos sistemas de saúde, particularmente em África.

Outras questões contribuem para a complexidade do quadro: a questão das alterações climáticas e suas consequências para a saúde da população, as mulheres que lutam para aceder à terra, a importância de os capacitar e os jovens para que possam contribuir significativamente para o desenvolvimento da sua localidade.

Além disso, a auto-suficiência alimentar é agora uma questão de soberania para todos os países do mundo. A emergência de novas doenças e a instabilidade política, social e de segurança constatada em vários países estão agora a pressionar todos para se adaptarem.

A sociedade civil deve ser envolvida no processo de implementação dos ODS

Com isto em mente, os actores da sociedade civil da África Ocidental e Central querem tomar o seu lugar na resolução destas questões. O seu objectivo é posicionar-se para desempenhar um papel decisivo na implementação de uma agenda transformadora para 2030.

O Director Executivo do Instituto da Sociedade Civil para a Saúde na África Ocidental e Central suscita assim o debate sobre a postura da sociedade civil em relação à realização dos ODS. Declarou também que a realização dos 17 ODS requer o envolvimento das comunidades. E o papel da sociedade civil é lutar para se posicionar melhor, repensar a sua acção e descompartimentar para uma maior eficiência.

No que diz respeito ao ciclo de gestão de emergência, o Dr. Abdoulaye Bousso recomenda a antecipação para a gestão eficiente das populações. Para ele, os Estados africanos devem aprender com as lições de epidemias e pandemias anteriores. O exemplo do Covid-19 foi dado. O Dr. Bousso defendeu que os mesmos erros não devem ser repetidos. Ele delineou dez pontos de aprendizagem do Covid-19 para estimular a reflexão entre os vários actores da sociedade civil. Podem ser resumidos numa pergunta: Estaremos prontos para a próxima pandemia?

A Costa do Marfim tem tido lições aprendidas. Capitalizou a experiência adquirida durante o Covid-19. Este facto facilitou a rápida implementação de um plano de contingência. Isto permitiu uma resposta eficaz à emergência sanitária

Partilhar
Outros artigos que lhe possam interessar